5 de novembro de 2013

Como vamos fazer para nossos catequizando voltarem em 2014?

O catequista é muito mais que uma simples pessoa que faz a abertura e encerramento da catequese é designado (a) pela Igreja para administrar a catequese com competência e seriedade, visando a edificação e a maturidade do corpo de Cristo.
O catequista deve ser alguém verdadeiramente compromissado com Deus e a igreja. Deve ser exemplo dos fiéis,uma pessoa qualificada . Deve ser assíduo e pontual no cumprimento de seus deveres, irrepreensível na moral, são na fé, prudente no agir, discreto no falar e exemplo de santidade de vida. Qualidades que devem acompanhar, no mínimo, todo aquele que recebeu a graça .

O catequista deve ser uma pessoa preparada. Não precisa necessariamente ser um esperto em educação cristã, mas precisa ter noção do que ela significa e representa. é a qualidade do bom ensino da catequese. Pensando nisso, um experiente coordenador perguntou a outro: “Os seus catequistas ensinam com qualidade? Ou estão se repetindo diante dos catequizando? Preparam devidamente os temas, ou já se acostumaram aos improvisos?”. E continua: “Que os seus catequistas não se contentem com o preparo já conseguido. Incentive-os a ler, a estudar, a pesquisar, a descobrir novas metodologias, a se tornarem especialistas não apenas no currículo e nos temas a serem dados, como também na pedagogia e na didática”.

Como eu disse; o catequista não precisa ser um especialista, mas é necessário que tenha algum conhecimento pedagógico. Se já tiver experiência como professor, melhor ainda.
Some-se a isto a visão do coordenador.O que é ideal, ele não apenas saberá conduzir a Igreja bem, no sentido de unidade de propósitos, mas também zelará pelo aperfeiçoamento de seus catequistas. Promoverá encontros, formações e uma série de eventos que ajudarão na formação e reciclagem dos catequistas.
O coordenador  que, em comum acordo com o Sacerdote, melhorará toda a catequese quando melhorar seus catequistas. Quando se investe na catequese todo mundo sai ganhando.
Finalmente, mas não menos importante, o coordenador precisa ser dinâmico a fim de dinamizar sua catequese. Para isso precisa se atualizar e se inteirar do trabalho de outros coordenadores. Deve ser uma pessoa inovadora, com idéias saudáveis que revigoram a catequese. Eu acredito na catequese porque é uma bênção de Deus e por isso dá certo. Entretanto, a catequese precisa passar por um processo constante de revitalização.
 catequistas: torne a sua catequese dinâmica, criativa, bíblica e funcional. Algo que dá gosto de se ver e participar. Promova, juntamente com outras catequistas, o vigor e a saúde da catequese através da motivação de seus catequizando. Evite a rotina, a monotonia e aquela mesmice insuportável. Os encontros de catequese devem ser prazerosas. Da criança ao adulto que levantam cedo para ir à Igreja, a catequese deve ser algo que valha a pena por causa do conteúdo e didática do ensino e (por que não?) por causa do agradável local dos Encontros. Olhe com carinho para tudo isso e Deus, com certeza, o recompensará.
Estamos chegando ao final de mais um ano,vamos fazer algo para nossos catequizando querem voltar no próximo ano.Mãos a obra FORMIGUINHAS DE JESUS.....bjos amo vcs!


4 de novembro de 2013

Bolo Corpo mistico de Cristo: da Igreja, ao se referir a cada um dos ingredientes. DINÂMICA DO BOLO

Material necessário:(cada ingredientes vc da uma especificação)

2 colh. de sopa de margarina(pessoas que são chamados  em serviço ,padre,diácono... 
2 xic. açúcar (Pessoas doces ,amigas...)
3 ovos.(pessoas que sao escolhidos para estar a frente de uma pastoral...)
3 xic. Farinha de trigo (pessoas que trabalham em pastorais...) 
1xic. leite(pessoas que ajudam quando precisamos mas não se dedicam a pastoral ...)
uma pitada de sal (pessoas,chatas ,que reclamam de tudo...)
1 colh. de sopa fermento(pessoas que estão a frente de trabalhos como ação s.etc...


Bacia para bater bolo, colher de pau, xícara, formas, avental, guardanapo, espátula para cortar o bolo antes do encontro começar prepara tudo colocando plaquinhas escrita cada ingredientes com sua descrição para que todos possam participar .
 ( se não tiver tempo para assar traga um bolo pronto na forma.)
Convide as crianças para prepararem um bolo juntas.
Fale sobre o tema: 
A diversidade dos membros do Corpo Místico de Cristo:

*bacia = igreja
*ingredientes = membros (nos) ao se referir a cada um dos 
*colher de pau = que mexe sera o Espirito que move a igreja 
*Forma =pode ser a missa (que precisa ser preparada para dar certo,como o bolo se não untarmos ele gruda tudo e da errado)

Vocês sabem que cada um de nós é Igreja, e que a Bíblia chama a Igreja de várias maneiras, vocês se lembram de algumas delas? (Ouvir as respostas) 
*Nação santa
*Família de Deus
*Povo Santo
*Israel
*Corpo Místico, etc. Muito bem! 
A razão da Igreja ser chamada de várias maneiras é tão só para que possamos entender melhor o que de fato é a Igreja.
Por isso hoje nós vamos fazer juntos um bolo. A mesma maneira como fazemos um bolo com diferentes ingredientes incorporando-os a mesma massa é semelhante à maneira que Deus forma a Igreja chamando diferentes pessoas pra fazer parte dela.
Vários e diferentes são os membros, porém de um só corpo, assim como são diferentes e vários os ingredientes que usamos para fazer um bolo.
Pergunto a vocês: O que colocamos primeiro num bolo?
A margarina. Muito bem! Em nossa Igreja há muitas pessoas que sãochamados por Deus para participarem ativamente do Corpo Místico de Cristo. É o padre o bispo que vem formar a igreja. É só continuarmos rezando por eles. (colocar duas colheres de margarina na bacia)
E depois da margarina o que vem?
Muito bem o açúcar. Na Igreja podemos encontrar inúmeras pessoas educadas e tementes a Deus, mas que ainda não fazem parte do Corpo Místico de Cristo, porque ainda não foram batizadas.  Mas nós podemos colaborar com Cristo trazendo esta pessoa para nossa Igreja, encaminhando-a para receber os Sacramentos. (Colocar o açúcar na bacia)
E agora, qual o próximo ingrediente?

Os ovos.  Você os coloca com casca no bolo? Não! Primeiro você tem que quebrá-los. Assim tem muita gente na Igreja que vive endurecida com relação as verdades do Evangelho, com relação aos Sacramentos, vive ranzinza, sempre reclamando de tudo até mesmo do padre, do tempo da Santa Missa...  Estas pessoas são como o ovo com casca que ao colocarmos num recipiente com água ele vai até o fundo e volta... Fica apenas molhado, mas não se mistura com ninguém... Esta casca dura que as envolve precisa ser quebrada, quem sabe se vocês se aproximarem delas e contar tudo que já aprenderam aqui, elas passem a se interessar mais pela Igreja e assim passem a ser membros ativos que se juntam aos outros para transformar a Igreja, não é verdade? Agora vamos juntar os ovos na massa. (peça duas crianças para participarem, cada uma quebrando um ovo).
Qual o próximo ingrediente?  O sal. Antes que nos esqueçamos dele, pois é muito importante na receita de um bolo. O sal nos lembra sempre aquelas pessoas que sempre reclamam, nunca são gratas pelas coisas que fazemos por elas. Sempre nos tratam com aspereza, é até difícil permanecermos perto delas. Mas Deus ama estas pessoas também e por isso elas estão em nossa Igreja. Porém nós só colocamos um pouquinho, pois o número de pessoas assim é bem pequeno. (colocar uma pitadinha de sal na bacia)
E o outro ingrediente do bolo, qual é? A farinha.  A farinha de trigo tem gosto? Não! Ela nos lembra a vida de muitas pessoas, sem gosto, sem sabor, para muitos a vida nem tem sentido. Certa vez Jesus encontrou uma mulher assim, cuja vida não tinha sentido, ela era solitária, sempre pegava água separada das demais mulheres. Vocês sabem de quem estou falando? Da Samaritana. Mas um dia Jesus a encontrou e a trouxe para junto de si e a vida dela passou a ter sabor, alegria, paz e muita motivação. Logo ela voltou à cidade para contar aos outros tudo que Jesus fizera por ela. E nós, quanto podemos tornar a vida de muitas pessoas cheia de alegria, trazendo-os para nossa Igreja, levando-as até Cristo, não é verdade? (Vamos colocar duas xícaras de farinha de trigo na bacia).
E agora, o que acrescentamos na massa? O Leite. Tiramos o leite da vasilha e colocamos numa xícara. Ao fazermos isto nos lembramos daquelas pessoas que seguem tudo e todos, crêem em tudo que escutam e acabam não acreditando em nada. São pessoas que não têm convicção. Mas se atrairmos estas pessoas para nossa Igreja, levando-as até Jesus Cristo, então elas passarão a ter convicções. A acreditar somente em Deus e Nosso Senhor, a ter unicamente Ele como Mestre. (Podemos colocar duas xícaras de leite na massa)
Mas falta um ingrediente, que sem ele, nosso bolo não crescerá; vocês sabem que ingrediente é este? O fermento. Sem fermento a massa não cresce. Muitas vezes colocamos só uma pequena colherzinha no bolo, não é verdade? O fermento nos lembra aquelas pessoas que se julgam pequenas, incapazes, insignificantes, mas que aos olhos de Deus têm grande valor e possuem grandes talentos. Deus as vai atraindo para a Igreja e por causa delas a Igreja vai crescendo, se multiplicando, pois o talento que Deus deu a cada uma destas vai contribuindo com o crescimento da Igreja, fazendo-a frutificar e frutificar cada vez mais. (Vamos colocar o fermento na bacia).
Opss! Íamos esquecendo um ingrediente, vocês sabem qual? O chocolate. Este serve para nos lembrar que na Igreja de Jesus há lugar para todos; independente de cor, raça, sexo, posição social, idade, etc. (Vamos colocar uma xícara de chocolate no bolo)
Agora que usamos todos os ingredientes, falta mexermos.
Pergunto pra vocês: Onde está a margarina, o açúcar, o sal, a farinha, o leite e os demais ingredientes que colocamos na massa? Muito bem, estão todos juntos e misturados, já não é possível enxergar cada um em separado, embora todos conservem suas características, o que importa é que juntos formam um bolo.
Assim também o que importa para Deus é saber que você está aqui. Que você faz parte da Igreja e  é membro do Seu Corpo Místico.
Pergunto a vocês: No bolo há algum ingrediente mais importante que o outro? Não! Todos os ingredientes são importantes.
Assim é também no Corpo Místico de Cristo, nenhum membro é mais importante que o outro. Todos precisam uns dos outros. O corpo místico deve estar ligado a uma cabeça não é verdade? A cabeça do corpo místico é Jesus Cristo e o Sacerdote O representa.
E agora, vamos colocar a massa na forma? Ah, antes disso precisamos fazer algo, alguém sabe me dizer?
Sim! Precisamos untar a forma. Se não untarmos o que acontece? O bolo fica agarrado.
E há muitos membros do Corpo Místico que ficam assim: Agarrados as quatro paredes da Igreja, só participam da Santa Missa e nada mais. Mas nós não queremos ser passivos, queremos ser também Igreja ativa, que leva a Boa Nova a todos que encontrarmos, pois bem, vamos untar a forma.
E agora? O bolo está pronto? Não! Temos que colocá-lo no forno para assar. (Levar o bolo para a cozinha, como se fossemos colocá-lo no forno. Deixe a forma por um tempo, para dar impressão que está no forno e continuar falando com as crianças).
Agora precisamos dar tempo para o bolo assar. Assim como temos que dar um tempo para que muitos se voltem para nossa Igreja, a Igreja que Cristo fundou. Existe muita gente que fica pulando de uma religião para outra, na busca de uma Igreja perfeita... Mas, se esquecem que a nossa é a que Cristo fundou sobre Pedro - Apóstolo.
Bom, vamos ver se o bolo ficou pronto? (Buscar o bolo, mas cobri-lo com um prato ou pano, só descobri-lo na frente das crianças... observar as diversas reações que eles terão, serão as mais variadas)
Muito bem! Este bolo é só para ser apreciado? Se ficarmos aqui olhando e o conservarmos assim, com o tempo ele endurecerá, irá mofar e poderemos então jogá-lo fora, não é verdade? Mas sabemos que o bolo precisa ser consumido, repartido. Assim é a Igreja, não existe só pra ser admirada, mas é preciso que nós façamos uso das coisas maravilhosas que temos nela, e levemos ao conhecimento de outros.
Pergunto? Será que este bolo será suficiente pra nós? Sim! Mas e se não fosse, o que aconteceria? Muitos ficariam sem comer. Isto significa que precisamos ser Igreja aonde formos, seja na escola, em nossa casa, na rua, etc. Precisamos levar o alimento, a palavra de Deus, anunciar a Boa Nova aonde formos; pra que outros também sejam alimentados.
Que Igreja você quer ser? Endurecida, mofada? Ou Igreja que reparte a Palavra de Deus e Suas Graças? Podemos pensar: Que tipo de Igreja tenho sido?
Fiz e foi muito bom,ainda fiz um cafezinho para acompanhar o bolo de Jesus!!!





VIRTUDES E DEFEITOS



Material necessário – Lápis e papel
Desenvolvimento  - O coordenador pedirá a cada participante que forme par com alguém ( havendo número ímpar, uma dupla se transformará em trio ). Em seguida distribuirá uma folha de papel  a cada participante que deverá escrever duas coisas de que não goste em si mesmo, iniciando com a expressão “Eu sou...”. Ao concluir, compartilhará com o parceiro. Na mesma folha, deverá escrever 10 coisas que aprecie em si mesmo, iniciando com a expressão: “Eu sou...”. Na maioria das vezes as pessoas sentem dificuldade de  reconhecer suas qualidades, por isso o parceiro pode ajudar essa pessoa sugerindo várias qualidades e virtudes que acha que o outro possui. Ao concluir compartilhará com o parceiro e partilha com os outros fazendo uma apresentação
Com todos sentados em círculo, o coordenador inicia uma introdução que deve fazer os participantes refletirem sobre o velho hábito de falar mal e reparar sempre nos defeitos dos outros, mesmo nos amigos e parentes: estamos sempre ressaltando o mau-humor da esposa, a avareza do pai, o egoísmo da irmã, a preguiça da namorada, a vaidade... enfim, quase sempre reparamos muito mais nos defeitos do que nas qualidades. Por uma questão de hábito os defeitos aparecem muito mais que as qualidades. Pois bem, nesse momento faremos um "exercício' para começar a mudar esse velho hábito, pois iremos falar apenas de VIRTUDES, e nunca de defeitos. Cada um recebe papel e caneta, onde anotará a principal virtude ("qualidade") que acha do companheiro sentado à sua direita, sem identificar a pessoa, apenas colocará a "qualidade", por exemplo: "honestidade" e não "honesto" / "simpatia" e não "simpática" / "coragem" e não "corajosa", e assim por diante. Os papéis serão dobrados, recolhidos e misturados. O educador então começa a ler as virtudes e os participantes tentarão identificar quem assume melhor aquelas características. O mais votado recebe o papel e guarda até o final do jogo.
Detalhe: nessa hora aquele que escreveu não revela o que foi escrito. Quando todos os papéis forem distribuídos cada um deve dizer como se sentiu, sendo identificado por aquela característica: se concorda ou não que ela seja sua característica mais marcante. Aí sim o companheiro do lado revela o que escreveu dele e justifica.
Após todos serem identificados, o coordenador ressalta a importância de nos habituarmos a enxergar as virtudes, aceitar defeitos e viver em harmonia com o mundo.

Compartilhar – Todos somos dotados de qualidades e defeitos, quando nos conhecemos bem podemos trabalhar com as nossas limitações e deixar que o Espírito Santo tenha mais liberdade em nossas vidas. Reconhecer as nossas qualidades não deve servir para  a nossa soberba, mas sim, para louvor a Deus.

SACERDOTE o nosso pastor.

(Uma só pessoa narra com calma, sem atropelos, pronunciando bem as palavras e ao mesmo tempo estando atenta para as crianças que seguram as estampas dos Sacramentos, etc.)

Vocês sabem quanto vale um Sacerdote na vida de cada um de nós? (Ouvir as respostas)
Nós vamos apresentar uma narração pra vocês, preste muita atenção, no final vocês terão a resposta da pergunta que lhes acabei de fazer...

O SACERDOTE

DEUS, que é o Único Santo e Santificador, escolheu o Sacerdote como companheiro e colaborador para servir humildemente à Obra da santificação.
Consagrado por Deus, participante de modo especial do Sacerdócio de Cristo, o Sacerdote está inserido no Cristo Cabeça, ele é outro Cristo que trabalha pela Glória do Pai.
(Uma criança mostra a estampa do Batismo e outra criança segura a estampa do Sacramento da Crisma – depois as duas devem ser fixadas num lugar)
Devemos ser sempre gratos por termos sempre um Sacerdote conosco, ele que por incontáveis vezes através de suas mãos sacerdotais nos traz o Espírito Santo às nossas almas, à Vida de Cristo, pelo Batismo, tornando-nos Filhos de Deus, membros do Corpo Místico de Cristo: a Igreja. Agradeçamos também aos Bispos, que também são Sacerdotes, pelas vezes que através do Sacramento da Crisma, nos traz o Espírito Santo às nossas almas, nos confirmando adultos na fé e apóstolos de Cristo.
(Uma criança mostra a estampa da Sagrada Escritura ou de um Sacerdote fazendo a pregação-Homilia – depois fixá-la em um lugar)
Como havemos de ser sempre gratos ao Sacerdote, por ter saciado nossa fome Espiritual:
Quantas vezes o Sacerdote através da Palavra de Deus, nos lembra sempre a rapidez desta vida, o caráter fugidio dos bens do mundo, os verdadeiros valores espirituais e eternos, a realidade dos juízos de Deus, a santidade incorruptível do olhar divino que perscruta todos os corações para recompensar a cada um segundo suas obras.
(Mostrar a estampa do Sacerdote consagrando e Jesus descendo da Cruz na Hóstia – fixar depois num lugar)
Como devemos ser gratos ao Sacerdote por ter saciado nossa fome espiritual, trazendo no Altar através de suas mãos e palavras sacerdotais: JESUS EUCARÍSTICO-PÃO DA VIDA e alimento para nossa alma, e pelas incontáveis vezes que através das mãos do Sacerdote podemos recebê-LO.
(Mostrar estampa confessionário – depois fixar num lugar)
Devemos ser muito gratos pelo Sacerdote, pelas vezes que ele nos ajudou e ajuda a levantar de nossas faltas e nos ressuscita para a vida Divina, para a vida da Graça.
(Mostrar a estampa do Sacramento do matrimônio- depois fixar em um lugar)
Como havemos de ser sempre gratos pelas vezes em que o Sacerdote fixou e fixará ainda o estado de milhares de casais, dando Cristo aos lares, através do Sacramento do matrimônio.
(uma criança mostra a estampa do Sacramento da Unção dos enfermos- depois fixar num lugar)
Agradeçamos ao Sacerdote pelas muitas vezes, que no declinar da existência, quando tudo se acaba, atrair sobre os doentes e agonizantes, a Bênção de Deus, abrindo-lhes as portas do Céu.
(Chamar a atenção para todas as estampas que as crianças ainda seguram entre as mãos)
Muito agradecemos ao nosso Padre"dizer nome" e aos outros Sacerdotes, porque desde o berço até o túmulo, eles fazem presença em nossa Comunidade e no mundo.
(Mostrar a estampa do Sacramento da Ordem – depois fixá-la num lugar)
Agradecemos também aos Bispos, que também são Sacerdotes, e que no Sacramento da Ordem, fazem novos Sacerdotes.
Que os Sacerdotes através do exercício das suas funções – profética; sacerdotal e pastoral; continuem a gerar pela Palavra, pelos Sacramentos e pela caridade a comunidade cristã, onde DEUS os chamar.
Que as ações; atitudes e palavras, dos Sacerdotes, continuem envoltas por uma atmosfera de caridade, para que assim eles continuem mostrando que amam toda a Igreja como Cristo os ama.
Peçamos a Trindade Santa e nossa Mãe Celeste que deixe sempre jorrar uma chuva de bênçãos, luz, vitalidade e graças necessárias para que a vida de cada Sacerdote continue sendo um advento que prepara a encarnação de Cristo nas almas.
                              (Catequista)

Agora vocês sabem o quanto vale um Sacerdote na vida de cada um de nós!
Vamos rezar um Pai Nosso e uma Ave Maria, por todos os Sacerdotes, agradecendo ao Bom Deus por permitir que eles façam parte de nossa vida.

Pai Nosso...
Ave Maria...
Glória ao Pai...

DINÂMICA PARA TRABALHAR SACRAMENTO CONFISSÃO/GRAÇA

 

Material: um copo, uma colher, sal, um ovo e pires.
Ao falar sobre o pecado, a vida sem Deus, compare a alma que está em pecado com o ovo. Enquanto estiver falando do que acontece à alma que está em pecado, coloque o ovo dentro do copo com água e chame a atenção pelo fato do ovo afundar rapidamente.
Retire com uma colher o ovo de dentro do copo e coloque-o no pires, em um lugar à parte.
Fale sobre a importância do sal nos alimentos, conservando-os e dando-lhes sabor. Compare com a graça de Deus em nossa vida. Enquanto isto coloque o sal na água do copo. Mexa com a colher por uns instantes para que se dissolva, enquanto o sal se dissolve , desaparecendo, faça a comparação com a alma quando vai confessando seus pecados ao Sacerdote e estes vão se consumindo até desaparecerem ao receberem a absolvição dos pecados.
Diga que assim como os alimentos sem sal ficam ruins, sem gosto. Nossa vida em estado de pecado é também ruim, sem graça. Agora coloque o ovo dentro da água salgada (ele irá flutuar) e vá dizendo o que acontece com a alma que se confessou: fica leve, livre de todo o peso que tinha antes de confessar-se.
Diga qual importância de confessarmos os pecados e de vivermos na graça de Deus.

DINÂMICA PARA TRABALHAR SACRAMENTO CONFISSÃO/GRAÇA

 

Material: um copo, uma colher, sal, um ovo e pires.
Ao falar sobre o pecado, a vida sem Deus, compare a alma que está em pecado com o ovo. Enquanto estiver falando do que acontece à alma que está em pecado, coloque o ovo dentro do copo com água e chame a atenção pelo fato do ovo afundar rapidamente.
Retire com uma colher o ovo de dentro do copo e coloque-o no pires, em um lugar à parte.
Fale sobre a importância do sal nos alimentos, conservando-os e dando-lhes sabor. Compare com a graça de Deus em nossa vida. Enquanto isto coloque o sal na água do copo. Mexa com a colher por uns instantes para que se dissolva, enquanto o sal se dissolve , desaparecendo, faça a comparação com a alma quando vai confessando seus pecados ao Sacerdote e estes vão se consumindo até desaparecerem ao receberem a absolvição dos pecados.
Diga que assim como os alimentos sem sal ficam ruins, sem gosto. Nossa vida em estado de pecado é também ruim, sem graça. Agora coloque o ovo dentro da água salgada (ele irá flutuar) e vá dizendo o que acontece com a alma que se confessou: fica leve, livre de todo o peso que tinha antes de confessar-se.
Diga qual importância de confessarmos os pecados e de vivermos na graça de Deus.

DINÂMICA PARA TRABALHAR SACRAMENTO CONFISSÃO/GRAÇA

 

Material: um copo, uma colher, sal, um ovo e pires.
Ao falar sobre o pecado, a vida sem Deus, compare a alma que está em pecado com o ovo. Enquanto estiver falando do que acontece à alma que está em pecado, coloque o ovo dentro do copo com água e chame a atenção pelo fato do ovo afundar rapidamente.
Retire com uma colher o ovo de dentro do copo e coloque-o no pires, em um lugar à parte.
Fale sobre a importância do sal nos alimentos, conservando-os e dando-lhes sabor. Compare com a graça de Deus em nossa vida. Enquanto isto coloque o sal na água do copo. Mexa com a colher por uns instantes para que se dissolva, enquanto o sal se dissolve , desaparecendo, faça a comparação com a alma quando vai confessando seus pecados ao Sacerdote e estes vão se consumindo até desaparecerem ao receberem a absolvição dos pecados.
Diga que assim como os alimentos sem sal ficam ruins, sem gosto. Nossa vida em estado de pecado é também ruim, sem graça. Agora coloque o ovo dentro da água salgada (ele irá flutuar) e vá dizendo o que acontece com a alma que se confessou: fica leve, livre de todo o peso que tinha antes de confessar-se.
Diga qual importância de confessarmos os pecados e de vivermos na graça de Deus.

3 de novembro de 2013

Batismo

Hoje mas uma vez tivemos 12 catequizando pedindo o batismo a igreja....
foi muito lindo!


24 de outubro de 2013

Pecado da ira

Um grande obstáculo ao progresso espiritual.

O pecado da ira constitui uma aberração do sentimento instintivo quando somos atacados. Esse pecado capital é uma desordem que estabelece o exagero daquilo que é próprio do ser humano, isto é, a autodefesa, a proteção.



autodefesa,a proteção.Considerada como paixão, a ira é uma necessidade violenta de reação provocado por um sofrimento ou contrariedade física ou moral. Nessas circunstâncias, a pessoa se sente impulsionada a descarregar sua raiva em manifestações físicas – no sentido de atacar a outra pessoa – ou de maneira silenciosa.


A ira como sentimento é o desejo ardente de repelir ou castigar aquele que fez com que você se sentisse ameaçado. Entretanto, ela poderá também ser justa se acontecer na moderação. Neste caso, a pessoa tem por objetivo reagir com aspereza somente para quem merece e na medida em que a pessoa merece a punição. No caso da ira justa, a pessoa não castiga somente por prazer. Portanto, se faltar qualquer uma dessas medidas, a pessoa se desvia para o exagero, especialmente quando aquele que vai ser corrigido necessita de uma advertência mais dura. Tudo que acontece dentro da moderação, por mais enérgica que possa parecer, trará resultados de crescimento.
O desejo violento, provocado pela ira, quando acompanhado de ódio, faz a pessoa procurar uma reação de vingança. Um dos cuidados que não se pode deixar de lado está em atentar aos pequenos sinais da cólera, manifestados em atitudes de impaciência, mau-humor, irritação desmedida através de gestos e palavras violentas, e a vingança, a qual, muitas vezes, chegando a desejar a morte do outro.
Se não há uma atenção a qualquer um desses sinais, a pessoa poderá perder o próprio controle de suas razões, arrastando-se ao ódio e ao rancor, violando a caridade e a justiça.
Os efeitos da cólera, quando não reprimidos, são traições, assassinatos, guerras... Uma pessoa, ainda que não chegue ao extremo de sua ira, vive as consequências de seu rancor, levando à amargura e à perda da amizade das pessoas que, anteriormente, conviviam com ela.
O ódio é um grande obstáculo ao progresso espiritual, pois nos faz perder a sabedoria, a amabilidade e a moderação. A pessoa perde o sentido de justiça e, consequentemente, torna-se egoísta.
Para combater o sentimento de ódio, a precaução pode começar já na maneira como a pessoa se alimenta, buscando o equilíbrio na alimentação, fugindo dos excessos com bebidas etc. Se a pessoa tem um temperamento instável, ela precisa de auxílio de terceiros para lhe trazer novamente ao equilíbrio psíquico. Assim, antes de fazer qualquer coisa, a melhor medida para evitar a cólera será refletir nas respostas e atitudes antes de responder a quem, aparentemente, se faz uma ameaça.
Quando somos assaltados pelo pecado da ira, precisamos aprender a rechaçar esses pensamentos, pois, pouco a pouco, poderá se firmar dentro de cada um de nós a certeza de que estamos corretos em nossos procedimentos.
Pe Eliano
Fraternidade Jesus Salvador
Retirei do site da Canção nova.

23 de outubro de 2013

Retiro da Primeira Eucaristia 26/10/2013

                                                          (Partilhar com R$ 5,00 )

7:30 –receber com café (Pão,queijo presunto,leite ,refrigerante e suco)
8:00  animação musica e oração inicial no salão (_Jardel,Ana , Paula e Lobão )
8:15 reflexão bíblica momento de oração (explicando um pouco do que e orar Jo 6 ou 2 Timoteo,( Vera_)
8:30  louvor direcionando para uma reflexão bíblica (Jardel,Ana , Paula e lobão)
9:00 Eucaristia  (Ozìmo)
9:40 simulação da eucaristia(_Marilene_ e  Penha Vila do Sol)
10:00  parada para relaxar um pouco ... ( Jandira e Marlene__)
10:30 louvor no salão (Jardel,Paula,Ana e Lobão_)
10:40 Confissão ( Catequistas ) e o padre no final
11:00 Fazer um propósito(__Carmem__)
11:30 Perseverar ? (_Glenda e Vitor_)
11:45 oração final(___Vitor____)
11:50 lanche Cachorro quente com refrigerante  Val e Rose
·         Cada catequista faz um envelope com mensagens para seus catequizando podendo pedir aos parentes e amigos deles
·         Lista de presença
·         Crachás

Com todos os atrasos não passaremos do 12:00

Equipes:
Café da manha:_ Crislaine , Jandira ,Marlene, Beth_____
Lanche das 10:___Jandira  ,Marlene ,Rose ,Val____
Oração inicial:__Vera_____
Oração final:__Vitor_______
Presenca : Pamella____

Lembrancinha:___todas confeccionar uma lembrancinha para 60 catequizando___

Luxuria

1. Luxúria: apego e valorização extrema aos prazeres carnais, à sensualidade e sexualidade; desrespeito aos costumes; lascívia.



2. Gula: comer somente por prazer, em quantidade superior àquela necessária para o corpo humano.



3. Avareza: apego ao dinheiro de forma exagerada, desejo de adquirir bens materiais e de acumular riquezas.

4. Ira: raiva contra alguém, vontade de vingança.

5. Soberba: manifestação de orgulho e arrogância.

6. Vaidade: preocupação excessiva com o aspecto físico para conquistar a admiração dos outros.



7. Preguiça: negligência ou falta de vontade para o trabalho ou atividades importantes.



http://catequesesaocristovao.blogspot.com.br/

22 de outubro de 2013

Música sobre Zaqueu: Entra na minha casa…


Uma comparação entre Lc 19, 1-10 e a música sobre Zaqueu
Temos no Evangelho segundo Lucas (19, 1-10) a história de Zaqueu, mais conhecida como aquele que subiu na árvore para ver Jesus. Por outro lado, temos também uma música “gospel”, denominada “Faz um milagre em mim”, mais conhecida assim: “Como Zaqueu”, que tem ocupado grandes espaços, tanto na mídia como na Igreja Católica. Alguns chegaram ao ponto de introduzir está música inclusive na liturgia. O que dizer então do texto, da música e do fato dela ser cantada na liturgia? Eis o objetivo deste artigo!
Em primeiro lugar é oportuno mostrar que Zaqueu subiu na árvore para VER QUEM ERA JESUS. O texto diz: “Procurava ver quem era Jesus”(19, 3). Ver uma pessoa é muito diferente de Ver QUEM é a pessoa. Neste sentido, podemos, deste já colocar uma reflexão: Não seria esse texto uma construção teológica importante do evangelista, no sentido de orientar os cristãos a procurarem conhecer Jesus, saber quem ele realmente é para acolhê-lo e assim, fazer uma profunda conversão? Em sendo um texto teológico, tal como a subida de Jesus para Jerusalém (9, 51 – 19, 46), não seria melhor pensar no significado do “Procurava ver quem era Jesus” (19, 3), do “subir na árvore” (19, 4); da ordem de Jesus: “desce depressa” (19, 5)? Não seria melhor pensar no significado da própria árvore? E quando fala que “Zaqueu era de baixa estatura (19, 3), o que significa? Seria mesmo altura física? Só para pensar, em Ef 4, 13, Paulo exorta os cristãos a alcançarem a “ESTATURA” de Cristo. Paulo não pede para os cristãos terem a mesma altura física de Cristo, até por que não se sabe! E mais, o termo grego, isto é, texto original, usado Por Lucas para se referir à estatura é o mesmo termo usado por Paulo. Neste sentido, a baixa estatura de Zaqueu poderia ser sua situação moral, sua indignidade e falta de maturidade na fé em Jesus, o que é perfeitamente plausível dado à suas notas: chefe dos cobradores de imposto e rico” (19, 2), características claras do pecador no evangelho segundo Lucas. Por se tratar de um artigo deixo esses pontos em suspense para posteriores reflexões.
Mas e a música, o que podemos dizer? A Igreja possui orientações muito claras sobre que tipo de música deve-se cantar na liturgia e assim, ressalta a obrigatoriedade de que os cânticos sejam de conteúdo bíblico-litúrgico. Em recente orientação, a CNBB diz que “antes de escolher um cântico litúrgico é preciso aprofundar o sentido dos textos bíblicos, do tempo litúrgico, da festa celebrada e do momento ritual”. Considerando tudo o que está exposto acima, podemos dizer que a música “como Zaqueu” tem beleza e melodia, porém, quanto ao conteúdo, possui várias observações:
1) Começa pelo título: “Faz um milagre em mim”. Erro grave de português, uma vez que o imperativo afirmativo deriva das segundas pessoas do singular e do plural do presente do indicativo, de forma que o correto seria: “faze um milagre em mim”;
2) Lucas narra a história do encontro de Jesus e Zaqueu, da conversão deste e de suas atitudes após a conversão. Em nenhum momento o evangelista fala de milagre. Diga-se de passagem, milagre nem de longe é tema do preferido do evangelista;
3) O autor diz: “Eu quero subir o mais alto que eu puder”, enquanto o texto de Lucas ressalta justamente o contrário: Zaqueu precisa é descer. Jesus ordena: “Desce depressa” (19, 5). Deste modo, deixa claro que essa é a atitude correta. Somente após descer é que acontece a transformação de Zaqueu. Neste sentido, o autor deveria dizer: Como Zaqueu eu quero descer, quero me encontrar com ele, recebê-lo em minha casa. São inúmeras as passagens bíblicas que ressaltam a necessidade de descer, diminuir, humilhar-se. Maria, a Mãe de Jesus, diz que “Deus olhou para a humildade de sua serva e a exaltou (Lc 1, 47-52); João Batista diz É  preciso que eu diminua e Ele cresça” (Jo 3, 30).
4) O autor diz: “Quero amar somente a ti”. È uma frase bastante contrária à Bíblia, uma vez que Jesus nunca exigiu amor somente a si. Isso mesmo! Ele diz: “Quem guarda os meus mandamentos e os observa é que me ama” (Jo 14, 21). E quais são seus mandamentos? Qual é o mandamento que ele nos deixou? “Amai-vos uns aos outros como eu vos amei, este é o meu mandamento” (Jo 15, 12). Mesmo quando citou o AT, dizendo: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração…”, acrescentou: Amarás teu próximo como a ti mesmo” (cf. Mt 22, 37-40). São Paulo diz: “Toda a Lei está contida numa só palavra: Amarás a teu próximo como a ti mesmo” (Gl 5, 14).
5) O autor diz: “Entra na minha casa…”, mas em Lucas, não é Zaqueu que convida Jesus e sim Jesus que diz: “Hoje devo ficar em sua casa” (19, 5). Jesus é que se convida e entra em sua casa;
6) O autor diz: EU preciso de ti senhor, EU preciso de ti oh Pai, SOU pequeno demais, me dá tua paz..”. Parece necessário observar que no texto, Lucas fala de Jesus, portanto, da segunda pessoa da Santíssima Trindade e não do Pai, primeira pessoa.
7) Quando o autor diz: “Entra na minha casa, entra na minha vida, mexe com minha estrutura, sara todas as feridas, me ensina a ter santidade”, ele está a usar o imperativo, como que dizendo a Jesus: Eu é que dou as ordens, por isso, faça as minhas vontades. Aqui, como em toda a música, se percebe o tipo de Deus e religião que agrada ao homem atual: Um Deus ao serviço das pessoas, uma religião que ofereça um Deus que faz todas as minhas vontades. O final da estrofe é conclusivo: Quero amar somente a ti, porque meu senhor é meu bem maior, faz um milagre em mim. O importante é o meu querer!?
8 ) O uso da primeira pessoa também é explícito e demonstra a tendência atual de individualismo e exclusividade na relação com Deus. Tudo em nome da vontade do EU que quer um Deus a serviço. Não se diz: “Faça-se em mim, segundo a sua Palavra”. Mas se diz”: “Faça-se em mim, segundo o que EU QUERO”. Estamos definitivamente e como nunca, no mundo do antropocentrismo e do egocentrismo!
9) Não obstante, na música haver tanto EU e tantas ordens a Jesus, no evangelho, antes de decidir converter-se, Zaqueu não pronuncia uma única palavra. È Jesus quem fala. È Jesus quem manda descer, quem diz que vai ficar na casa de Zaqueu. Quando Zaqueu fala, uma única vez, não é para dar ordens, mas para se humilhar, mostrar seu arrependimento e conversão (cf. 19, 8);
10) O autor diz: “Largo tudo pra te seguir”. Será verdade que um adepto desse modo de pensar tão egocêntrico teria aptidão e coragem para largar tudo e seguir Jesus? Ou essa frase é mais uma para chamar atenção, afinal, logo no início se diz: Como Zaqueu eu quero subir, o mais alto que eu puder, só pra te ver, olhar para ti e chamar sua atenção para mim”?
Enfim, reafirmo que a música tem sua beleza, mas peço que reflitam, pois assim como existe belas músicas que fazem apologia a valores totalmente anti-cristãos, essa música parece ser por demais contrária ao texto bíblico e, portanto, ás orientações da Igreja no que diz respeito ao repertório de música para nossas celebrações e encontros.
Publicado em  por Padre Odair
Pe. Odair EustáquioPároco da Paróquia Maria Mãe dos CaminhantesItapecerica da Serra – SP
Achei muito interessante,encontrei no blog do padre Odair,e quis partilhar com o meu...mas agradeço e peço a Deus que abençoe o padre com sabedoria e entendimento para sempre estar nos ensinando e alertando ...obrigada Padre!

Gincana da Biblia!!!


                                                                        equipe branca
                                                  Homenagem aos catequistas

Retiro de catequistas da arquidiocese de Niterói.

Nosso Retiro foi muito bom....


A adoração ao Santíssimo foi tudo de Bommmmmmmm


Ainda bem que levamos nosso almoço,...a fila estava gigantesca.


Quase 1000 catequistas...

                                                            descanso apos almoço

Terço do misericórdia ,representado pelas coordenadoras paroquiais eu de Verde Vicariato Lagos.

Fomos 16 catequistas:Paula ,Aliane,Padre DE,Eu,Val,Glenda,Lindalva,Ana Gilda,Crislaine,Soninha,e Beth...ainda faltam na foto Sandra,Carmen,Anete,Jacke,Vitor que esta tirando a foto....