28 de agosto de 2011

Ninguém nasce catequista.

Aqueles que são chamados a esse serviço tornam-se bons catequistas através da prática, da reflexão, da formação adequada, da conscientização de sua importância como educadores da fé. O catequista exerce um verdadeiro ministério, isto é, um serviço.
Segundo o documento Catechesi Tradendae (A Catequese Hoje) a "atividade catequética é uma tarefa verdadeiramente primordial na missão da Igreja".
O catequista não age sozinho, mas em comunhão com a Igreja, com o grupo de catequistas.
O grupo de catequistas expressa o caráter comunitário da tarefa catequética.
O catequista necessita das seguintes qualidades:

*Ser uma pessoa com equilíbrio psicológico;
*Ter capacidade de diálogo, criatividade e iniciativa, saber trabalhar em equipe;
*Ser perseverante, pontual e responsável;
*Ser participativo, engajado nas atividades da paróquia, da comunidade e ter espírito de serviço;
*Ter vida de oração, leitura e meditação diária da Palavra de Deus;
*Ter espírito crítico e discernimento diante da realidade;
*Ser capaz de respeitar a individualidade de cada pessoa.
Isso não significa que exista uma pessoa que tenha todas essas qualidades, mas que devemos procurar desenvolvê-las no nosso dia-a-dia
E com o grupo que ele revê suas ações, planeja, aprofunda os conteúdos, reza e reflete.