14 de fevereiro de 2011

**Entrevista concedida a jornalista Maria Auxiliadora (Lila).

                                                  Catequese com estilo catecumenal




NO DIA 13 DE FEVEREIRO,Encontro de PERSEVERANÇA , que teve como tema
 “Catequese Catecumenal”.
O evento aconteceu no auditório do centro pastoral em Araruama e reuniu catequistas de várias Paróquias

O padre Antonio Francisco Lelo . Ele é autor de vários livros sobre catequese catecumenal e considerado, atualmente, um importante estudioso e disseminador dessa nova forma de catequizar da igreja católica.
Antonio Francisco Lelo nasceu em Varginha (MG). É presbítero licenciado em Filosofia e Pedagogia, e doutor pelo Instituto Superior de Liturgia na Faculdade de Teologia da Catalunha (Espanha). Trabalha como editor assistente com as irmãs Paulinas, na catequese e na liturgia e nos finais de semana ajuda a Igreja Armena, do Arcado Armeno Católico, em São Paulo. Dedica-se à pesquisa e implantação da catequese com estilo catecumenal.

                                            Retirei da internet essa entrevista:
                               A Pastoral da Comunicação da Paróquia São Rafael
** entrevistou Padre Lelo, que falou sobre essa nova forma de iniciação cristã, veja na íntegra:
Pascom: O Senhor veio dar uma formação aos catequistas da Arquidiocese sobre a catequese com estilo catecumenal, o que seria isso?
Padre Lelo: A catequese catecumenal é uma nova postura da Igreja diante do fenômeno do pluralismo religioso que nós estamos enfrentando, onde a fé passa não mais a uma fé transmitida pela família, mas uma fé que se dá pela opção de cada um de ser cristão. Então, dá-se uma mudança muito grande na busca religiosa das pessoas, que não querem apenas o sacramento pelo sacramento, mas antes do sacramento há a necessidade de percorrer um caminho de fé, de transformação pessoal em Cristo, o que nós chamamos de catecumenato, de seguimento de Cristo.
Pascom: Como o catequista de adultos deve agir, com base na catequese catecumenal, quando chegam pessoas que querem receber os sacramentos com urgência?
Padre Lelo: O que a gente deve é ajudar as pessoas a compreender, se é um noivo ou uma noiva que já tenha a data marcada do casamento e quer a todo custo ser batizado, o que a gente aconselha é que ela se case na Igreja com a pessoa e peça uma licença ao Bispo, chamada Disparidade de Culto. O casamento que se dá entre um batizado e um não-batizado, no caso vamos supor, o noivo ou a noiva não é batizado, então faça o casamento na forma canônica como a gente tem costume de ver, com a dispensa do Bispo e depois disso, propor para aquele noivo ou para aquela noiva que ela percorra um tempo de amadurecimento da sua fé na catequese.
Pascom: O Senhor falou durante sua palestra que a forma de catequese da Igreja é fragmentada, como sendo, Pastoral da Catequese de Adulto, Catequese de Criança e Pastoral da Crisma, essa catequese catecumenal quer unir esses três sacramentos em uma só coisa?
Padre Lelo: Então, quando na Igreja nós falamos iniciação cristã, nós estamos falando de três sacramentos que são comuns a todo cristão, ou seja, Batismo, Confirmação e Eucaristia, esses três sacramentos são comuns para todos e são esses três sacramentos que produzem a identidade cristã. Então, não há como fugir deles. Agora esses sacramentos, com o passar dos anos, pela história da Igreja, eles foram separados um do outro. Na Igreja antiga, no século IV, esses três sacramentos eram dados em conjunto, na Vigília do Sábado Santo para o adulto que tinha percorrido um caminho de fé, de preparação para aquela noite, chamado catecumenato. Hoje em dia, esses três sacramentos ficaram separados. Então, numa Paróquia o que a gente tem aconselhado é que a Paróquia volte a trabalhar com os catequistas, tanto do batismo de crianças, quanto da primeira comunhão, quanto da crisma, quanto da catequese de adultos, numa única pastoral, porque todos esses agentes estão envolvidos com um único objetivo que é o da iniciação cristã, que já é completa com a catequese e a celebração dos três sacramentos.
Pascom: Após os três dias com suas palestras o senhor espera o que dos participantes, quando saírem daqui, com um novo pensamento, uma nova forma de agir para catequizar?
Padre Lelo: Na Igreja as coisas não acontecem tão rapidamente assim. Então, eu conversei com o clero da Arquidiocese, estavam presentes, além do Bispo, mais quarenta e oito Padres Párocos da Arquidiocese e agora já é a segunda vez que eu venho, eu já vim em fevereiro falando sobre o mesmo tema, agora venho repetir um pouco mais avançado, o que nós tratamos inicialmente, ou seja, é um caminhar, na medida em que os agentes, as comunidades, os padres vão se conscientizando de que uma nova forma de fazer iniciação cristã é possível, é querida e é necessária para compreender e atingir o ser humano na nossa sociedade de hoje. Então, é um passo a mais.

Pascom: Os Padres também recebem essa formação?
Padre Lelo: Hoje nós conversamos com eles e há, ainda, a idéia desse processo continuar. Ainda a equipe vai estudar juntamente com o Arcebispo qual é o próximo passo que deverá ser dado com os padres.



Pascom: Essa catequese catecumenal tem um período mínimo?

Padre Lelo: Então, nós temos que distinguir alguma coisa. Essa catequese catecumenal, ela se dá propriamente com aqueles adultos que foram batizados e não completaram a iniciação, e se dá com aqueles adultos que não foram batizados, isso é um tipo, e essa catequese catecumenal, ela também influencia o batismo de crianças, a primeira comunhão de crianças e a crisma de jovens, por conta de quê? Por conta dos elementos que estavam presentes na iniciação cristã antiga, do primeiro ao quarto século, e que hoje nós perdemos de vista e que eles são fundamentais para a gente compreender os sacramentos hoje. Por exemplo, a centralidade da Páscoa de Cristo, a necessidade de que seja uma catequese sempre mais bíblica, sempre mais unida com a liturgia, ou seja, aquilo que nós celebramos na Igreja, aquilo que nós proclamamos no evangelho, que nós estudamos na catequese, tudo isto forma um conjunto e esse conjunto está orientado para que a pessoa forme uma personalidade cristã, que se vai dando no caso da catequese por etapas, aos poucos, desde o batismo de crianças, a catequese da eucaristia e a catequese da crisma, nesse processo o papel, a atuação dos pais e da família é imprescindível.
Pascom: É uma questão de não terminar nos sacramentos? Seria de conscientização para que as pessoas continuem, preparar o cristão para continuar e não parar nos sacramentos, diferente do que acontece hoje na Igreja Católica?
Padre Lelo: A grande mentalidade nossa é de buscar o sacramento pelo sacramento. Eu quero que meu filho seja batizado. Padre meu filho vai fazer a primeira comunhão quando? Ou então, quando vai ser a crisma do meu filho? Ou seja, é importante o sacramento isolado do seguimento de Cristo, essa mentalidade, para aqueles que estão me escutando que procure avaliar. Somente isto não basta, por quê? Mais do que receber um ou outro sacramento o importante é a pessoa se conscientizar do significado de ser cristão e de viver a fé na comunidade cristã, quer dizer, sem essa adesão, sem esse compromisso, de viver a fé todos os dias da própria vida, simplesmente receber este ou aquele sacramento é algo muito pontual, que não leva a lugar nenhum.
                              retirei da internet essa entrevista
                                       Márcia